sexta-feira, maio 05, 2006

Editorial

Editorial


Há algum tempo que venho lendo notícias que envolvem as Nações Unidas, a União Européia e algumas dessas ONGs famosas que existem. Hoje mesmo vi uma delas.

Tais organizações promovem os mais nefandos crimes. Não se fala aqui daqueles supostos crimes contra a "dignidade da pessoa humana", que tanto se ouve dizer. Fala-se aqui de crimes contra a dignidade infinita de Deus Nosso Senhor e contra sua Lei Eterna. Os crimes contra Deus é que verdadeiramente rebaixam a diginidade do homem, e, infinitamente mais importante que isso, ofendem a Deus.

A União Européia (UE), por exemplo, quer impor sanções aos países que não aceitam o dito "casamento" homossexual. A ONU igualmente milita para que todos os países aprovem leis favoráveis ao casamento dos homossexuais.

Como se não bastasse a promoção de tão horrendo crime, que valeu a destruição de Sodoma e Gomorra, essas mesmas organizações favorecem desenfreadamente o aborto de várias maneiras. Ano passado, quando tramitava o anteprojeto de lei do aborto aqui na nossa Câmara dos Deputados, ocorreu uma visita de deputados do parlamento europeu para ajudarem na aprovação de tal crime. Essa visita se estendeu aos demais países da américa latina, que possuem, com exceção de Cuba (alguém adivinha o motivo?), uma legislação restritiva ao aborto. Legislação que ainda é um certo resquício de nossa abençoada colonização pelos católicos portugueses e espanhóis. Infelizmente, a legislação desses países já aprova o aborto em alguns casos, como ocorre com o Brasil.

A ONG anistia internacional, que, em geral, trabalhada arduamente para soltar condenados realmente culpados, passa a militar, também, a favor do assassinato de inocentes. É uma inversão completa dos valores. Morte para os inocentes e liberdade para os culpados. É a confusão daqueles que abandonam a Deus. Perdem-se nas coisas mais óbvias.

E faz-se o aborto e legitima-se o homossexualismo com base nos ditos "direitos humanos". Com base na dita "dignidade humana". Utilizam os direitos humanos para imporem crimes. Que homem é digno, quando pratica atos contra a própria natureza, que nehum fruto trazem, mas somente moléstias? Atos torpes, e atos de extrema injustiça? No caso do aborto, diz-se que a mulher tem direito sobre o seu corpo. Mentira! O feto já é outro corpo, outro ser, um ser humano completo e indefeso, com todos os direitos, sobretudo à vida e a ser batizado. Em 1827 ficou definido que a vida tem início com a concepção, graças a Karl Ernest von Baer.

É incrível que uma simples lei possa determinar que um dado grupo de pessoas deva morrer (por nada ou para se fazer pesquisas eugênicas) ou que é lícito praticar atos contra a natureza. A isso já se assistiu quando a maioria elegeu Hitler. Ele exterminou um dado grupo de pessoas e quis chegar à raça perfeita.

Isso tudo é fruto do ilumisnismo-naturalismo maçônico, que gerou a revolução francesa e que trouxe consigo o positivismo jurídico. Fruto da denominada soberania popular. O Soberano não é mais Deus Nosso Senhor. O homem não mais segue os Dez Mandamentos. O homem não tem mais qualquer limite. Diz com o príncipe desse mundo: Não servirei. Agora, o homem é livre. Coitado do homem moderno. Na verdade, tornou-se escravo. Escravo do erro. Escravo da mentira. Age contra a própria consciência e contra a razão. Escravo de suas paixões. Somente a verdade liberta. Quando Deus está conosco, dominamos melhor o nosso próprio ser, conseguimos agir conforme a nossa consciência e conforme a reta razão.

O homem "livre": árbitro do seu próprio destino. Pensa o que quiser e faz o que quiser. Engraçado que o homem nem mesmo determina quando nasce ou quando morre. Mas ergueu-se, pelo naturalismo-iluminista, a deus. São seis bilhões de deuses. Precipita-se no abismo. Defendem as tartaruguinhas indefesas no Projeto Tamar, mas matam os bebês. Defendem a fauna e a flora, pobrezinhas! Sem piedade, cntudo, condenam o genêro humano à extinção. Sabe quem defendia o aborto nas sessões na Câmara dos Deputados? Os homossexuais. Trata-se de ódio ao ser. E o ser de qual todos os outros têm a sua origem e dependência é Deus: "Eu Sou Aquele que É"

Mas o povo é soberano. Aliás, sabe por que não continua a tramitação do aborto esse ano? Porque esse ano tem eleição e os nobres deputados não querem votar uma lei tão impopular. Mais de noventa por cento da população é contra o aborto. Mas, claro, quem manda é o povo soberano!

Soberano é Deus que nos ergeu à dignidade de sermos redimidos por seu próprio Filho. Não é o número que define o que é certo e o que é errado. Seguindo a Lei de Deus, o homem encontrará a sua verdadeira dignidade e a verdadeira liberdade. A liberdade dos filhos de Deus. Rezemos bastante. Para a conversão dos pecadores e pela perseverança dos justos. Confiemos sempre em Deus Nosso Senhor, recorrrendo à intercessão de sua Mãe Santíssima.

Nossa Senhora de Guadalupe, livrai-nos da maldição do aborto.

Imaculado Coração de Maria, livrai-nos das leis iníquas.

Sagrado Coração de Jesus, tende piedade de nós.








2 Comments:

At sexta-feira, 22 setembro, 2006, Anonymous Anônimo said...

Peliculas españolas anti- aborto: Aborto Criminal(1973) y Abortar en Londres (1977).

 
At sexta-feira, 22 setembro, 2006, Anonymous Anônimo said...

Zapatero anti- catolico

 

Postar um comentário

<< Home